quinta-feira, 3 de maio de 2018

Processos Coreográficos na Dança do Ventre 2 - Coreografia Mawaca com Véu Rosa

Dando continuidade ao texto anterior onde expliquei o processo coreográfico na Dança do Ventre, hoje começa uma série de textos nos quais relatarei as pesquisas feitas na construção de algumas coreografias que gosto muito. 

A primeira coreografia desta série foi feita com a música "Salamalekum do grupo vocal, brasileiro, Mawaca que apresenta músicas do mundo inteiro acompanhadas de um instrumental ricamente elaborado. A escolha teve por critério o ar das mil e uma noites, dos castelos orientais relatados nos livros e contos orientalistas que ela nos remete. Embora exista uma crítica a este tipo de literatura, quando falamos do oriente antigo é esta a visão que vem a nossa mente e foi desta imagem que partimos para a construção da estrutura da dança.

O tema da coreografia nasceu antes da música, minha intensão era representar uma história épica o encontro da harmonia e do cotidiano  das mulheres com seus  homens guerreiros cada um em suas representações arquetípicas.

Mulheres suaves e apaziguadoras ao lado de homens fortes e viris,  que apesar da força e masculinidade são envolvidos pela doçura feminina quando regressam ao lar após a contenda, pois sabem que elas estão lá prontas para recebe-los.

A coreografia tem um toque Andaluz, para retratar essa expressão estudei o que é a dança Andaluz. Embora a maioria dos bailarinos conhecem e optam por representar a versão Andaluz de Mahmud Reda com movimentação de braços e pernas em arabescos e poucos movimentos de quadril, é necessário compreender que Andaluz é uma fusão cultural que ocorreu entre os povos árabes e os povos da península Ibérica durante a expansão Islâmica após 750 d.C., mais precisamente na região de Andaluzia no sul da Espanha, região de cultura ricamente diversificada devido a sua localização geográfica que possibilitava grande intercâmbio comercial e cultural com outros povos dos continentes Africano e Asiático.

Sou muito fã de Mahmud Reda, quando ele veio ao Brasil fiz todos os seus workshops e me apaixonei por seu trabalho e da Farida Farmy, principal bailarina de sua companhia de dança. 

Por isso não poderia deixar de estudar as suas composições, observei o que preservou da dança andaluz européia e que preservou da dança árabe. Observei a leveza dos passos, os movimentos de mãos como também as danças dos homens com sua força masculina implícita nas movimentações e gestos que poderiam ser acrecidas. E nasceu essa coreografia que chamamos de "Véu Rosa"

Pensar no figurino foi outro processo, não tinha a intenção de reproduzir mais uma versão das coreografias Reda, então busquei inspiração nas imagens que retratam o oriente de  Giulio Rosati, Rudolf Ernst e Frederick Arthur Bridgman, pintores orientalistas.

Em algumas apresentações dançamos usando o tantur para prender o véu. Tantur é um chapéu em formato de cone, seu uso é mais comum na região do Líbano pelos povos das montanhas até século XIX, quanto maior e mais comprido era o cone mais prestígio e riqueza representava.

Mas como era mais difícil fazermos um tantur, fizemos um tarbuch, chapéu turco que é comum ser usado pelos muçulmanos. Quando o Império Romano ocupou todo o oeste, o tarbuch passou a ser usado também no Egito e em outros países e regiões que foram dominadas.

Assim fizemos uma misturinha bem consciente em nome da arte e do compromisso com o público de  fazer um belo espetáculo. 

O Véu Rosa é uma coreografia que gosto muito pelo atmosfera singela e simples que transmite.

Nas sequencia o vídeo de uma das apresentações: 


Para aula e shows de Dança do Ventre com Priscila Genaro: www.priscilagenaro.com.br

Grupo de Dança do Ventre no WhatsApp:

Visite o site do FIDES: www.fidescultural.com.br

Curta nossa página no facebook: https://www.facebook.com/FidesCultural/

Assine nosso canal no youtube: /www.youtube.com/channel/UC3d8g70nFewbulh4QHe4XQQ?view_as=subscriber



  
   
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...